Lei traz esperança aos nigerianos

Portas abertas - 30/06/2015

Uma prática de violência à mulher é agora considerada crime na Nigéria e pode ser uma das primeiras vitórias na luta dos direitos humanos

30_Nigeria_0430100607

Há pouco mais de um mês, Jonathan Goodluck, em sua última semana no governo, assinou uma lei que criminaliza a mutilação genital feminina na Nigéria. De acordo com dados divulgados pela Unicef, há cerca de 130 milhões de mulheres e meninas vítimas da prática vivas atualmente. Esse tipo de violência é considerado pela Organização das Nações Unidas (ONU) uma violação dos direitos humanos.

De acordo com a agência de notícias All Africa, a lei traz a esperança que os nigerianos "comecem a aceitar que práticas culturais e religiosas também devem se sujeitar aos direitos humanos". A Nigéria, 10º colocado na Classificação da Perseguição Religiosa, vive hoje um clima de insegurança em todo o país, marcado por ataques do grupo extremista Boko Haram.

Em maio, Muhammadu Buhari assumiu a presidência da Nigéria, derrotando o então presidente cristão Jonathan Goodluck em uma eleição com resultado surpreendente. O antigo presidente deixou para Buhari as consequências dessa aprovação de lei, que envolve delicadas questões religiosas e culturais. 

Pedidos de oração
• Peça a Deus para que leis como essa sejam não só aprovadas pelo governo, como colocadas em prática, para o bem geral da sociedade.
• Ore pelas famílias que vivem nessa situação de insegurança, principalmente aquelas atingidas pelos ataques do Boko Haram.
• Clame por sabedoria aos líderes da igreja local, para que testemunhem do amor de Cristo em seu país e assim muitos possam conhecer a verdade do Evangelho.

Fonte: Portas Abertas Brasil




Cultos